Comunicação para Negócios | Pierangeli | A síndrome da segunda-feira, de novo!?
256
post-template-default,single,single-post,postid-256,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,qode-theme-ver-12.1.1,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.4,vc_responsive

A síndrome da segunda-feira, de novo!?

A síndrome da segunda-feira, de novo!?

Fazia um bom tempo que eu não assistia o Fantástico e ontem resolvi dar uma zapeada para ver as “novidades”. Forte e determinada fui até o final. Então, ao ouvir a famosa vinheta no encerramento senti uma sensação esquisita, ruim que não pude identificar de bate pronto, mas que segundos depois percebi tratar-se de um sentimento de ressonância vindo do meu passado. Foram só 1minuto e 6 segundos, mas o suficiente para disparar um gatilho de emoções negativas e junto com ele um processo de download de memórias do tempo em que eu sofri com a síndrome da segunda-feira. E não foi pouco tempo…

Como em um filme, veio um mini flash back com as lembranças dos empregos que eu não curtia, daqueles onde sofri assédio, da dificuldade de enfrentar o transporte público para chegar até o trabalho ou ficar horas em um trânsito insano.

Pensei… como estou feliz agora, realizada com a minha carreira e satisfeita com o meu dia a dia. Mas o mesmo não acontece com milhares de profissionais pelo mundo que sofrem da tal síndrome, já diagnosticada pela medicina.

De acordo com os especialistas, isso acontece porque alguns profissionais trabalham apenas com o objetivo de ganhar dinheiro, de sobreviver. Sem sentir prazer pelo que fazem caem em uma rotina dura, perdem sua identidade e se arrastam por cinco dias até o tão sonhado final de semana. Quando chega, alguns já não tem mais forças e deprimidos gastam seus dois dias de “alforria” dormindo na tentativa de recuperar parte da energia que será gasta, novamente, nos 5 longos dias que tem pela frente.

Se você se identificou com esses sintomas é melhor parar e reavaliar:

  1. Reveja sua carreia, vida profissional e prioridades
  2. Lembre-se de que o trabalho é muito importante, mas é apenas uma parte da sua vida
  3. Avalie se você é a pessoa certa na empresa errada ou se é a pessoa errada na empresa certa. Sempre dá para mudar a rota
  4. Enquanto planeja sua mudança de vida faça algo que o ajude a tomar uma nova direção como cursos, especializações, trabalho voluntário ligado a uma nova área
  5. Aprimore as competências essenciais que para mudar com êxito
  6. Participe de grupos de networking presenciais ou virtuais. O Facebook e o Linkedin são ótimas opções para encontrar gente nova
  7. Procurar a ajuda de um profissional para fazer uma terapia ou um coach de carreira
  8. Leia livros, assista filmes e palestras

A medicina da felicidade

Em meio às minhas pesquisas sobre o tema encontrei esse livro e gostei tanto que resolvi compartilhar no artigo. A obra, Medicina da Felicidade, foi escrito pelo Dr. PhD Marcelo Derbli Schafranski, mostra o que a ciência compreende por felicidade e quais são as evidências científicas que fundamentam os melhores caminhos para se chegar a ela. Dinheiro traz felicidade? Ser religioso pode fazer de você uma pessoa mais feliz? Ser mais atraente torna a mulher feliz? A segunda-feira é realmente um dia triste?

Destaque: Lá na página 61 ele explica, de forma bem clara, que esses sintomas podem ser um erro cognitivo.

Outra explicação para a síndrome da segunda-feira é que, normalmente, nós temos um ritmo de trabalho ultra frenético durante a semana e, muitas vezes, nem nos damos conta de quanto estamos afobados para cumprir metas, produzir, entregar e fazer tudo da melhor forma possível. Quando chega sexta-feira desaceleramos de repente, o que pode acabar afetando nosso metabolismo. “Dessa forma, a produção de alguns neurotransmissores – substâncias que fazem a ligação entre as células nervosas e que, entre outros fatores, são responsáveis pelas sensações de prazer – também sofre alterações. Como o efeito só fica evidente depois de mais ou menos um dia e meio, no domingo à noite apareceriam o desânimo e a insatisfação”, explica a psicóloga hospitalar, Heloísa Chiattone.

Quando as empresas se preocuparem com a saúde psicológica de seus colaboradores, com certeza, o turn over diminuirá, o grau de felicidade aumentará e, consequentemente a produtividade.

De acordo com uma pesquisa sobre motivação individual e de grupo da Universidade de Harvard, um funcionário de uma empresa pode passar toda sua carreia com um rendimento de 25% de sua capacidade e ainda continuar em seu emprego, mas o mesmo funcionário, motivado de forma correta, cresce em desempenho e atinge cerca de 80% de sua capacidade.

Se você começou a semana lento, desanimado, com vontade que chegue logo sexta-feira, então #ficaadica com alguns artigos que escrevi sobre carreiramotivação e a vida no mundo corporativo:

1.      Escrevi um artigo com 5 histórias de derrotas que viraram sucesso que você pode ler para se inspirar.

2.      Um artigo para quem pensa em desistir de perseguir a felicidade: Paciência, persistência e mais 6 lições de Bill Porter para chegarmos ao sucesso.

3.      Quer mudar de vida? O coaching vai te ajudar.

4.      Depressão corporativa. Cuidado para não virar estatística!

Sobre a autora: 

Catarina de Melo Pierangeli – Jornalista apaixonada pela comunicação ajudando empresas e profissionais a conquistarem visibilidade on e off line.Pós-graduada em Gestão da Comunicação em Mídias Digitais com forte experiência em Comunicação Corporativa. Consultora, professora, ghost writer e Linkedin heavy user. Atualmente atua como diretora executiva na dmelo comunicação. Pesquisadora atuante da Comunicação Digital Multiplataforma e produtora profissional de conteúdo para diversas empresas e canais. É colunista regular do Linkedin Pulse e do portal de Marketing Digital Superstorm, entre outros.

No Comments

Post A Comment